916 859 005

Estalão

Origem: França

Aptidões: Guarda , defesa e dissuasão

Classificação FCI: 2º Grupo: Cães do tipo Pinsher e Schnauzer, molossoides e B. Suíços

Secção 2.1 - Molossoides do tipo dogue. Não submetido a provas de trabalho

BREVE APRECIAÇÃO HISTÓRICA:

O Dogue de Bordéus é um dos mais antigos cães franceses, provavelmente descendente dos Álanos e em particular do cão para caça grossa. Gaston Phébus (ou Fébus) disse no século xiv, no seu Livre de Chasse que "A sua mordedura é mais forte que a de três galgos". A palavra "dogue" aparece nos finais do século xiv. Nos meados do século xix, estes antigos cães eram pouco conhecidos , mas celebres na Aquitaine. Eram utilizados na caça grossa (javali), nos combates, na guarda de casas e do gado. Em 1863 realizou-se em Paris, no Jardin d’Acclimatation a 1ª exposição canina francesa. Os Dogues de Bordéus ficaram desde então reconhecidos com o seu nome actual. Existiram diferentes tipos: o tipo Toulousain, o tipo Parisien e o tipo Bordelais, que estão na origem do dogue actual. A raça sofreu muito durante as duas guerras mundiais, ao ponto de entrar em extinção na guerra de 1939-1945, tornando a reaparecer por volta de 1960.. 1 º standard ( " carácter do verdadeiro Dogue " ) por Pierre MÉGNIN , Le Dogue de Bordéus, 1896. 2 º standard por J. KUNSTLER , Estudo crítico do Dogue de Bordéus , 1910. 3 º standard por Raymond TRIQUET , com a colaboração do Veterinário Maurice LUQUET , 1971. 4 º standard reformulado segundo o modelo de Jerusalém ( F.C.I. ) por Raimond TRIQUET com a colaboração de Philippe SÉROUIL , Presidente da comissão da Société des Amateurs de Dogues de Bordeaux , 1993.

COMPORTAMENTO – CARÁCTER:

Antigo cão de combate, o Dogue de Bordéus está dotado para a guarda que assume com vigilância e uma grande coragem mas sem agressividade. Bom companheiro, ele é fiel ao seu dono e muito afectuoso. Calmo, equilibrado com sentido de responsabilidade (reacção) elevada . O macho tem um carácter geralmente dominante. A fêmea tem um carácter idêntico ao do macho mas menos pronunciado.

ASPECTO GERAL

Tipicamente um molossoide braquicefalo concavilíneo. O Dogue de Bordéus é um cão possante, cujo corpo é muito musculoso sendo ao mesmo tempo harmonioso. Ele é construído de preferência junto à terra, diz-se que a distância do esterno ao solo é ligeiramente inferior à altura ao peito. Travesso, atlético, majestoso e imponente, ele tem um aspecto muito dissuasivo.

PROPORÇÕES IMPORTANTES

O comprimento do corpo, da ponta do ombro à ponta da nádega, é superior à altura ao garrote na proporção de: 11 / 10.

A altura do peito é superior à metade da altura ao garrote garrote.

O comprimento máximo do chanfro é igual a um terço do comprimento da procurar cabeça.

O comprimento mínimo do chanfro é igual a um quarto do comprimento da cabeça.

No macho, o perímetro do crânio é muito próximo à altura ao garrote.

PROPORÇÕES NO DOGUE DE BORDÉUS

A - Altura ao garrote = volta da cabeça

B - Perímetro do peito ao nível dos cotovelos = altura ao garrote + 25 a 30 cm

C - Comprimento do corpo

D - Comprimento da cabeça do occipital ao nariz = F x 3

E - Cimo do occipital ao stop = F x 2

F - Comprimento do chanfro (máximo: D/3; mínimo: D/4)

G - Comprimento do crânio visto de frente = grande base do trapézio

H - Comprimento da extremidade do focinho = pequena base do trapézio

CABEÇA

Volumosa, angulosa, larga, muito curta, trapezoidal quando é vista de frente e de cima. O eixo longitudinal do crânio e do chanfro são convergentes.

REGIÃO DO CRÂNIO

No macho - o perímetro do crânio tomado ao nível da maior largura, corresponde mais ou menos à altura do garrote.

Na fêmea - ele pode ser ligeiramente inferior.
O seu volume e a sua forma são consequências do desenvolvimento muito importante temporal, das arcadas sobre-orbitarias, das arcadas zigomáticas e do afastamento das ramificação do maxilar inferior. A região superior do crânio é ligeiramente convexa de um lado ao outro.

A depressão forte - nasal ou stop é muito pronunciada, formando com o chanfro um ângulo quase recto (95º a 100º)-

A depressão frontal profunda atenua-se na extremidade posterior da cabeça. A testa domina a frente. Assim, ela é mais larga que alta.

A cabeça é sulcada de rugas simétricas de cada lado do sulco mediano. Estas rugas profundas e simétricas são móveis e dão a entender se o cão está atento ou não.

REGIÃO FACIAL

Nariz - Largo, com as narinas bem abertas, bem pigmentado consoante a máscara; Admite-se nariz arrebitado mas não enterrado na face.

Focinho - Possante, largo, denso, mas não empastado debaixo dos olhos, bastante curto, sendo o perfil superior ligeiramente côncavo devido as pregas anteriormente indicadas. A sua largura diminui apenas na extremidade do focinho, ele tem, visto de cima, a forma de um quadrado. Para suportar a região superior do crânio, a linha do chanfro forma um ângulo obtuso aberto para cima. Logo a cabeça é horizontal, a extremidade do focinho truncado, denso e largo na base onde se encontra de frente com uma vertical tangente à face anterior do nariz. O seu comprimento situa-se entre 1/4 e 1/3 do comprimento total da cabeça, do nariz ao cimo do occipital. Os limites (superior de 1/3 e inferior a 1/4 do comprimento da cabeça) são admitidos mas não recomendados, o comprimento ideal do focinho situa-se entre estes extremos.

Mandíbulas - Muito possantes e largas. O cão é prognata inferior (característico da raça). Os incisivos inferiores estão á frente e não em contacto com os incisivos superiores. A mandíbula inferior curva-se para cima. O queixo é bem marcado e não deve passar muito o lábio superior nem ser coberto por ele.

Dentes - Fortes em particular os caninos. Caninos inferiores afastados e ligeiramente curvados. Incisivos bem alinhados sobre tudo na mandíbula inferior onde eles formam uma linha aparentemente direita.

Lábio Superior - Espesso, moderadamente pendente e retraído. Visto de perfil ele apresente uma linha inferior arredondada. Ele cobre a mandíbula inferior sobre os lados. Na frente o lábio superior está em contacto com o lábio inferior, pois desce sobre ele formando um V em forma de U.

Bochechas - Salientes sendo acompanhadas de um desenvolvimento muscular muito forte.

Olhos - Ovais e distantes. O espaço entre os ângulos internos das pálpebras equivalem a cerca de duas vezes o comprimento do olho (abertura pálpebral). Olhar penetrante. A conjuntivite não deve estar visível. Côr de avelã e castanho escuro para os cães de máscara negra, a cor menos pronunciada é tolerada nos cães de máscara marron ou sem máscara.

Orelhas - Relativamente pequenas, com uma cor mais acentuada que o resto do corpo. São caídas e a base anterior é ligeiramente subida. Elas devem tombar e não ficarem suspensas e molengas. O bordo anterior está repuxado quando o cão se encontra atento. A extremidade inferior é ligeiramente arredondada e não deve passar o olho. Elas estão inseridas ao nível da linha superior do crânio onde elas aparentam acentuar a largura.

Pescoço - Muito forte, musculoso e quase cilíndrico. A pele é abundante, larga e solta. A circunferência media é quase igual à da cabeça. Está separado da cabeça por um sulco transversal pouco acentuado e ligeiramente curvo. O seu perfil superior é ligeiramente convexo. A barbela bem marcada desce ao nível da garganta formando pregas junto ao peitoral, sem penderem muito. O pescoço muito largo na base afunda-se sem chocar com os ombros.

CORPO (Tronco)

Linha do Dorso (Top Line) - Bem sustentada com um dorso largo e musculoso, com um garrote bem marcado, um rim largo bastante curto e sólido.

Garupa - Moderadamente oblíqua junto à nascença da cauda.

Peito - Possante, longo, alto, largo, descendo mais a baixo que o cotovelo; peitoral largo e possante cuja linha inferior (entre - braço) é convexa para baixo. Ombros descidos, curvos mas não toneis. A circunferência do peito deve ter de 25cm a 35cm superiores à altura do garrote.

ASPECTO GERAL DO DOGUE DE BORDÉUS

Linha Inferior - Linha arqueada, no peito bem descida, no ventre relevada e firme, nem descida nem do tipo galgo.

Cauda - Muito grossa na base. A ponta toca de preferência nos jarretes sem os ultrapassar. Ela não é quebrada nem nodosa, mas sim solta.
Tombada quando em repouso, ela erguesse em geral entre cerca de 90º a 120º quando o cão está em acção, mas no entanto sem se encurvar sobre o dorso nem se enrolar.

MEMBROS

Anteriores - Ossatura forte, membros muito musculosos.

Espáduas - Possantes, com os músculos salientes. Obliquidade da omoplata média (cerca de 45º sobre a horizontal); ângulo de articulação escapulo - umbral: um pouco mais de 90º-

Braços - Muito musculosos.

Cotovelos - No eixo do corpo, não muito serrados contra o tórax nem para fora.

Frente - Braço - Vistos de frente, direitos ou um pouco inclinados para fora por dentro, de maneira a se aproximarem ligeiramente do plano médio, sobre tudo nos cães com o peito muito largo. Vistos de perfil, verticais.

Região do Metacárpio - Possante. De perfil ligeiramente inclinada. Vista de frente ligeiramente para fora para compensar a ligeira inclinação no interior do frente - braço.

Pés - Fortes, dedos serrados, unhas curvadas e fortes, almofadas bem desenvolvidas e flexíveis.


Posteriores - Membros robustos com uma forte ossatura, bem angulados. Vistos de trás: os posteriores são paralelos e verticais dando uma impressão de pujança, bem que as mãos de trás são menos largas que as da frente.

Coxas - Muito desenvolvidas e espessas, aparentemente musculosas.

Pernas - Relativamente curtas e musculosas.

Jarretes - Curtos, nervosos; ângulo do jarrete moderadamente aberto.

Metatarso - Robusto e isento de esporão.

Pés - Um pouco mais longos que os anteriores, são serrados.

Movimentos - Bastante flexíveis para um molosso. A passo, movimentos amplos e flexíveis a rasar o solo. Boa posição dos posteriores, boa amplitude dos movimentos anteriores sobre tudo no trote, que é o preferido. Quando corre, a cabeça tem tendência a baixar, a parte posterior inclina-se para a frente, o pés anteriores aproximam-se do plano médio. Pequenos galopes com deslocação vertical bastante importante. Capaz de atingir grandes velocidades com saltos (tipo lebre), rasos ao solo em curtas distâncias.

ASPECTO EXTERIOR

Pele - Espessa e suficientemente ampla.

Pêlo - Fino, curto e suave ao tocar.

Côr - Unicolor, dentro de toda a gama de castanho, desde o caju ao isabel.

Bem pigmentado. As manchas brancas pouco extensas são admitidas no peitoral e na extremidade dos membros (pés).

Máscara

Máscara negra - A máscara é pouco extensa não devendo passar a região craniana. Pode ser acompanhada de ligeira cor de carvão sobre o crânio, nas orelhas, no pescoço e debaixo do corpo. O nariz é preto.

Máscara marron (também se diz máscara vermelha) - O nariz é marron, a borda das pálpebras são igualmente marron.

Sem máscara - O pêlo é castanho igual ao resto do corpo. O nariz é castanho claro ou rosa.

Altura

A deve corresponder quase ao perímetro cefálico.

Macho - 60 a 68cm ao garrote.

Fêmea - 58 a 66cm ao garrote.

Tolera-se 1cm a menos e 2cm a mais.

Peso

Macho - Superior a 50kg.

Fêmea - Superior a 45kg.

DEFEITOS

Todos os desvios às características anteriormente definidas, devem ser considerados defeitos, os quais são penalizados em função da sua gravidade.

DEFEITOS GRAVES

Hiper Agressividade ou Medroso.

Cabeça curta e redonda com os olhos desorbitados.

Hiper - tipo Bulldog (crânio chato, chanfro medindo menos 1/4 do comprimento da cabeça).

Desvio lateral importante da mandíbula.

Incisivos constantemente visíveis com a boca fechada.

Dorso convexo (selado).

Cauda com vértebras soldadas/partidas mesmo não estando desviada.

Pés dianteiros (mãos) viradas para dentro, mesmo que ligeiramente.

Pés dianteiros virados exageradamente para fora.

Pés chatos

Angulações muito abertas (angulação direita)

Angulações muito fechadas.

Jarretes de vaca e jarretes de tonel.

Andamento tipo de muletas ou aos SS demasiadamente acentuados na traseira.

Respiração excessivamente ofegante, respiração rouca.

Cor branca na extremidade da cauda ou na região superior dos membros acima do carpo e do tarso.

DEFEITOS ELIMINATÓRIOS

Cabeça comprida e estreita com stop pouco pronunciado, chanfro medindo mais de 1/3 do comprimento total da cabeça (falta de tipicidade na cabeça)

Chanfro paralelo ou descendente à linha superior do crânio, chanfro arqueado ou aquilino.

Maxilar torcido.

Falta de prognatismo inferior.

Caninos visíveis de modo constante com a boca fechada.

Língua saída de modo constante com a boca fechada.

Cauda raquítica, desviada lateralmente, torcida, atrofiada, partida...

Ante - braços com abatimento nos metacarpos muito acentuados.

Cor branca ou outra cor na cabeça e/ou corpo.

Peso irrecuperável.

Nota: Os machos devem ter dois testículos de aspecto normal completamente descidos no escroto.

Cantinho dos Castro's

MACHOS


Ver Mais

FÊMEAS


Ver Mais

NINHADAS


Ver Mais

CÃES PARA VENDA


Ver Mais